Capítulo 03. Associação de Resistores
1. Introdução

Em trabalhos práticos, é freqüente necessitarmos de um resistor de cujo valor de resistência elétrica não dispomos no momento, ou que não seja fabricado pelas firmas especializadas. Nestes casos, a solução do problema é obtida através da associação de outros resistores com o objetivo de se obter o resistor desejado.

Podemos associar resistores das mais variadas formas, porém daremos um destaque especial, neste capítulo, às associações em série, paralelo e mista.

É importante observarmos que, qualquer que seja a associação efetuada, estaremos sempre interessados em obter o resistor equivalente, ou seja, obter um resistor único que, colocado entre os mesmos pontos A e B de uma associação, fique sujeito à mesma ddp e seja percorrido por uma corrente de intensidade igual à da associação.



Em circuitos elétricos utiliza-se o conceito de , que é a junção de três ou mais ramos de circuito.

Exemplos

• São nós:


• Não são nós:


Tal conceito é muito importante no estudo das associações em série e paralelo de elementos de um circuito elétrico.
2. Associação em Série

Um conjunto de resistores quaisquer é dito associado em série quando todos os resistores forem percorridos pela mesma corrente elétrica.

Para que tenhamos uma associação em série, é necessário que os resistores sejam ligados um em seguida ao outro, ou seja, não pode haver nó entre os resistores. A figura abaixo ilustra uma associação em série de n resistores.



Para determinarmos o resistor equivalente a uma associação em série de n resistores, devemos lembrar que a corrente elétrica é a mesma, tanto para o resistor equivalente quanto para os resistores associados, e que a ddp no resistor equivalente é a soma das ddps em cada resistor associado.





3. Resistor Equivalente



Sendo:
UAB = U1 + U2 + ... + Un

e sendo U = R i

temos: RE . i = R1 . i + R2 . i + ... + Rn . i

ou seja:



24
  Capítulo 03. Associação de Resistores 24