Capítulo 09. Aceleração Vetorial

aceleração tangencial , que indica a variação da intensidade de e a aceleração centrípeta , que indica a variação da direção de . Desse modo, a aceleração instantânea ( ) fica definida pela adição vetorial dessas componentes:

A aceleração tangencial possui as seguintes características:

Nos movimentos uniformes, a intensidade da velocidade não varia e, portanto a aceleração tangencial é nula. A aceleração tangencial só existe em movimentos variados (acelerados ou retardados) e independe do tipo de trajetória (retilínea ou curvilínea).

A aceleração centrípeta possui as seguintes características:

Nos movimentos retilíneos, a direção da velocidade não varia e, portanto, a aceleração centrípeta é nula. A aceleração centrípeta só existe em movimentos de trajetórias curvas e independe do tipo de movimento (uniforme ou variado).

4. Análise Vetorial de Movimentos

Vamos, agora, identificar a aceleração vetorial em certos tipos de movimento e sua orientação com o vetor velocidade.

4.1. Movimento Retilíneo Uniforme

É o único movimento que não possui aceleração vetorial, pois sua velocidade mantém-se constante em intensidade (uniforme) e em direção (trajetória retilínea). Ou seja:

4.2. Movimento Retilíneo Uniformemente Variado

A velocidade varia apenas em intensidade, pois é variado em trajetória retilínea. Logo, não possui aceleração centrípeta, ou seja, sua aceleração vetorial é tangencial (apenas para acelerar ou retardar).


64
  Capítulo 09. Aceleração Vetorial 64