Capítulo 09. Aceleração Vetorial

1. Variação do Vetor Velocidade

Sabemos que a velocidade possui uma intensidade associada a uma direção (tangente à trajetória) e sentido . Quando analisamos o vetor velocidade de um móvel, no decorrer do tempo, observamos que podem ocorrer mudanças tanto em sua intensidade quanto em sua direção. Eventualmente é seu sentido que se altera.

Existe apenas um tipo de movimento em que a velocidade vetorial permanece constante. Isso ocorre no movimento retilíneo uniforme, em que a velocidade tem intensidade constante (uniforme) e sempre a mesma direção (pois a trajetória é retilínea).





Há dois critérios básicos para se notar alterações na velocidade :

a) a intensidade de varia, ou seja, o movimento é acelerado ou retardado;

b) a direção de varia, ou seja, o movimento tem trajetória curvilínea.

Combinando esses critérios, podemos elencar cinco tipos de movimentos em que ocorre variação do vetor velocidade:

Movimento Retilíneo Acelerado


Movimento Retilíneo Retardado

Movimento Curvilíneo Uniforme

Movimento Curvilíneo Acelerado

Movimento Curvilíneo Retardado




Exceto o MRU, todos os demais movimentos terão sua velocidade variando, seja em intensidade (movimentos acelerados e retardados) e/ou em direção (movimentos em trajetórias curvilíneas).

Para indicar a variação do vetor velocidade, ocorrida entre dois instantes, definimos o vetor:


Por exemplo,1 e 2 representam na figura abaixo as velocidades de uma partícula nos instantes t1 e t2. O vetor mostra a variação ocorrida em sua velocidade entre t1 e t2.


 


62
  Capítulo 09. Aceleração Vetorial 62