Capítulo 07. Óptica da Visão


Para cada posição do objeto o cristalino assume uma distância focal conveniente e modo a acomodar a imagem sobre a retina.


Para efeito de cálculo, vamos adotar como iguais os raios da curvatura das faces R1 e R2 (em realidade são diferentes).
Sabe-se que:


Fazendo-se:
R1 = R2 = R
vem:

 

A equação acima evidencia o fato de que f diminui à medida que R diminui.
 
Objeto Afastado

Rgde cristalino relaxado = olho acomodado para ver de longe.
Objeto Próximo

Rpeq cristalino comprimido = olho acomodado para ver de perto.
 

1.4. Ponto Próximo e Ponto Remoto

Para o objeto afastado (situado no infinito) a imagem se forma nítida sobre a retina, com os músculos ciliares relaxados. A distância focal do cristalino é máxima, igual à distância entre a retina e o cristalino, sendo esta a situação de menor esforço visual.

Aproximando-se cada vez mais o objeto, a distância focal vai diminuindo em virtude de uma compressão cada vez maior do cristalino e, portanto, o esforço visual é cada vez mais intenso.

Existirá então uma posição do objeto para a qual os músculos ciliares realizam sua máxima compressão sobre o cristalino, correspondente a uma distância focal mínima e máximo esforço visual.

Se ainda aproximarmos o objeto, como a distância focal não pode diminuir mais, a imagem não ficará nítida, pois não se formará na retina.


O ponto mais próximo da vista para o qual a imagem ainda é nítida é denominado ponto próximo e a sua distância do olho é a distância mínima de visão distinta.

Para o olho normal, o ponto mais afastado que pod e ser visto com nitidez está no infinito; porém, para olhos anormais esse ponto pode estar a distâncias finitas, sendo então denominado ponto remoto e a sua distância ao olho, distância máxima de visão distinta.

72
  Capítulo 07. Óptica da Visão 72